Virtude sobre Virtude


… E o mentor amigo nos contou com alegria e espontaneidade.

Tendo Jesus terminado uma de suas preleções, ao entardecer, junto às águas do lago, entrou em conversação com os discípulos, perguntando a eles qual seria a virtude que avançasse além dela própria.

-É a paciência…- replicou Bartolomeu.

E o diálogo prosseguiu.

– Bartolomeu – elucidou o Divino Mestre – a paciência é integra. Não se elastece.

– É o amor ao próximo – aventou Simão Pedro.

– O amor ao próximo é um dever inarredável. Não se modifica.

– É o espírito de serviço – aventurou Mateus.

Jesus sorriu e explicou:

– Entretanto, o espírito de serviço expressando boa vontade e benevolência, é uma obrigação que não se altera.

– É o perdão das ofensas – disse João, acanhado.

– João, já aprendemos que o perdão das ofensas deve ser repetido setenta e sete vezes.

– É a fé – adiantou Tiago.

– A fé, porém, é um estado de sublimação da alma que não se desloca.

– É a brandura no trato com os nossos semelhantes – sugeriu André com timidez.

A brandura pra nós, no entanto, é uma atitude compulsória.

O silêncio caiu sobre a turma, qual se os acompanhantes do Mestre estivessem confessando a própria impossibilidade para formular uma resposta à altura da indagação.

Depois de alguns minutos de expectação, o Cristo lançou compassivo olhar sobre os presentes e arrematou.

– Meus amigos, a virtude que se desdobra além de si mesma será sempre o ato de perdoar aos bons, quando os bons aceitam a infelicidade de errar…

Do livro: Fotos da Vida
Médium: Francisco Cândido Xavier.
pelo Espírito Augusto Cezar

Leave a Reply

Your email address will not be published.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*