O Estudo do Espiritismo


De vez em quando é saudável fazermos alguns questionamentos capazes de nos estimularem no duro esforço do aprendizado, ao qual todos estamos submetidos. Por que estudar o Espiritismo? Esta é uma pergunta bem interessante e instigante, tanto para os espíritas quanto para aqueles que professam outras crenças.

Posso estudar o Espiritismo? Sim, claro que sim. Todos podem independente de sua religião. Allan Kardec costumava dizer que a Doutrina Espírita, quando bem compreendida, é uma grande aliada a todas as religiões, pois tira delas os excessos de origem humana e faz ressaltar a sua essência espiritual.

Devo estudar o Espiritismo? Sim, deve. Por quê? Porque a Doutrina Espírita é o Consolador Prometido por Jesus, cuja missão é relembrar suas lições e completá-las com esclarecimentos que, na época do Mestre, os homens não estavam em condições de compreender. [1] São através do seu estudo e, consequentemente, de sua vivência que vamos, paulatinamente, identificando as nossas dificuldades a serem sanadas, os conceitos a serem reformulados, bem como os valores morais e espirituais que precisamos adquirir.

O estudo da Doutrina codificada por Allan Kardec nos situa de volta aos cenários da antiga Palestina e nos coloca caminhando ao lado de Jesus, como se estivéssemos aprendendo diretamente com ele.

Segundo os registros de João Evangelista [2], certa feita ao passar pela Samaria Jesus travou com uma samaritana um dos mais belos diálogos da Boa Nova. Na passagem citada, o Mestre afirma que sua Doutrina é a água da verdade eterna: “(…) aquele que beber da água que eu lhe der nunca terá sede; pelo contrário, a água que eu lhe der se fará nele uma fonte de água que jorre para a vida eterna.” A samaritana, representando todo aquele que busca, com humildade e sinceridade, os verdadeiros valores da vida, pede sedenta a Jesus: “Senhor, dá-me dessa água, para que não mais tenha sede (…)”.

Da mesma forma que a samaritana de outrora, a humanidade de hoje tem sede, mas não é qualquer sede. Assim como a água comum, as ilusões do mundo saciam os homens invigilantes apenas momentaneamente, preparando o caminho para as aflições que se sucedem.

O Espiritismo, representando Jesus de volta aos nossos corações, oferece-nos, não mais aos pés do poço de Jacó, mas sim em todos os cantos do planeta, a água viva das verdades espirituais, através de uma Doutrina que é amor, luz e vida; uma Doutrina capaz de nos consolar, esclarecer e orientar sem estar circunscrita aos limites de espaço ou tempo.

Se você sofre, mas não sabe por que e se sente injustiçado ou esquecido por Deus; se você sente um vazio existencial que não consegue preencher; se você busca o esclarecimento que outras filosofias, religiões ou a própria ciência não podem te oferecer… Então, meu amigo, é hora de abrir o seu coração e a sua mente, desarmar o seu espírito e receber o Consolador. Permita que o Enviado de Jesus te revele o Cristo.

Mãos à obra. Estude a Doutrina dos Espíritos e reforme-se interiormente. Seja firme na vivência dos ideais evangélicos, pois só assim será reconhecido como discípulo de Jesus. Conheça a Verdade que nos liberta das trevas da ignorância que ainda vige em nós [3].

Mas não aceite o Espiritismo cegamente, pois a fé cega já não é mais para o nosso tempo. Ela vigorou até os idos do século XIX. Pratique a fé raciocinada, aquela que não tem medo de encarar a razão face a face em qualquer época da humanidade, como ensinou Kardec. Leia, analise, estude, questione, pesquise, medite, compreenda, assimile e viva intensamente o legado do Mestre de Nazaré. Estude o Espiritismo e seja feliz!

Valdir Pedrosa – Fevereiro/2012

[1] Evangelho Segundo João 14:15-18 / 16:12-14.

[2] Evangelho Segundo João 4:1-43.

[3] Evangelho Segundo João 8:31-32.

Fonte: https://www.facebook.com/cebal.casaespirita/posts/584322128341727:0

O Estudo do Espiritismo

O Estudo do Espiritismo

Leave a Reply

Your email address will not be published.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*